Inferno

Foi ontem à noite, no Emperors Palace. Um musical bem conseguido, cheio de ritmo, excelentes vozes (a da vocalista era uma coisa do outro mundo) e alguma originalidade coreográfica. Com músicas em inglês, afrikaans e zulu, o espectáculo decorreu sempre acelerado com um corpo de sete dançarinos entre os quais duas que eram de cair para o lado. A mais excêntrica tinha ar de ser eslava, pela tez e feições. Afinal, cof cof cof, era de origem portuguesa! Excelente também o cocktail “sex on the beach”. Com o joelho neste estado, só dá para beber mesmo…

(o par, Craig Smith e Natalie Marques)

2 Respostas to “Inferno”

  1. ac Says:

    já lá diz o home das bolachas: “o que é nacional é bom”!;)

  2. miguel Says:

    e os derivados nem te digo nada!

Os comentários estão fechados.