A China SA

074325752901_bo2204203200_pisitb-dp-500-arrowtopright45-64_ou01_aa240_sh20_sclzzzzzzz__edited-1.jpg

Não deixo de ficar perplexo com o que se vai vendo, ouvindo e lendo sobre a China. Que são isto, aquilo, frito e cozido. Dito pelos outros, não por nós. Traduzindo, os outros não estão propriamente convencidos, mas a cavalo “dado” não se olha o dente e eles são tão generosos… De tal forma que até “dão” gente, para todo o tipo de trabalhos. Não reclamam, não protestam, não fazem greves, trabalham 24/24, se for necessário, e são muito rigorosos, deles se diz. E que quando querem até fazem coisas “boas”. Uau! Fiquei impressionado. A única coisa que não percebo, é porque carga de água só mandam homens. Se fizessem pelo menos um esforço para o 50/50, podia ser que a sua presença por cá nos despertasse algum interesse mais específico.A última, contada por quem está a viver na Namíbia e veio a Luanda para as festas, dá conta que o governo namibiano adoptou – esta é linda! – 40.000 famílias chinesas. Só. Isto porque a Namíbia está com “falta” de gente e os chineses “adoptados” são todos eles altamente qualificados. Imagino-os poliglotas, cientistas nucleares, arquitectos, engenheiros de toda a espécie e, ah!, economistas e afins formados nas melhores universidades americanas chinesas. Em prol do desenvolvimento, consequência da fraternidade entre povos “irmãos”. De tal forma amigos são os governos que Pequim até, supostamente, terá oferecido ao presidente namibiano a sua actual residência.

Quanto aos chineses, nada a dizer até porque não constituem qualquer perigo para a hegemonia “ocidental”. Já outros, que nunca mais me venham com merdas de discursos de neocolonianismos e afins que apanham logo com uma coisa amarela na testa…

7 Respostas to “A China SA”

  1. ac Says:

    o certo é que os EUA já dependem economicamente da China e o mundo “civilizado” aos poucos está a ceder lugar à China… aquele país onde são feitos dois livros de registos de horário laboral e remunerações e onde os empregados são ensinados a adoptarem um discurso “ocidental” de cada vez que chegam uns senhores estrangeiros a quererem impor regras ocidentais na terra deles!
    Mas deixando de lado as questões menos sérias, explica-me uma coisa que se afigura um mistério aqui por estas bandas:
    os chineses morrem por aí? e em caso afirmativo, então onde são sepultados? Por aqui nunca vi um funeral de chineses!

  2. miguel Says:

    Atenção ac, este não é um discurso anti-China. Antes pelo contrário. A China não me mete medo, por assim dizer. Tudo bem que já têm 975 mil milhões de dólares norte-americanos em divisas, coisa pouca per capita. De igual modo a China representa apenas 9% do consumo mundial de petróleo comparado com os 50% da Europa e EUA. Finalmente, 2/3 da produção industrial pertence ao mundo dito desenvolvido, sendo os demais 1/3 repartidos por todos os outros países do mundo. Por isso, até que a China chegue a constituir um perigo real, ainda falta muito… Quanto a funerais, não faço a mínima. Presumo que façam o que nós fazemos aos nossos, enviamo-los de avião em caixões de chumbo…

  3. ac Says:

    hummm um destes dias envio-te um interessante estudo sobre a posição económica da China no mundo, vais ficar surpreendido como os nºs podem ser lidos qual sombras chinesas (loll nem de proposito)

  4. miguel Says:

    ac, reporto-me a um dossier inteiramente dedicado à China publicado no insuspeito Financial Times ;) Mas manda-me isso que eu acho piada a essas coisas :)

  5. Emiéle Says:

    AC, quanto aos funerais isso é ponto muito importante e delicado. Os antepassados têm de ficar todos juntos. Quando Hong Kong mudou de soberania, muitos dos seus habitantes quiseram ir para outros locais, Canadá, Austrália, etc, o inacreditável é que antes deles seguiram anos antes, caixões e caixões com os seus antepassados para as terras para onde iriam imigrar! Portanto acredito que a inversa se dê, quem imigrou e morra longe, volte para ao pé dos seus antepassados!
    De resto, também me parece que há duas leituras sempre, uma interna e outra para «mostrar». Há uns anos houve um grande congresso sobre Direito do Trabalho lá para essas bandas, e discutiu-se questões de Trabalho de todo o Mundo. Com uma proibição: não se podia falar da China, onde decorria o Congresso!!!!

  6. miguel Says:

    Tem piada, não fazia a mínima ideia Emiéle. Obrigado! Que cena terrível…

  7. ac Says:

    Agora sim! Percebo a razão! Obrigada Émiéle :)
    Mas há uma coisa que me intriga… quem paga o repatriamento do corpo à terra natal?
    Quanto ao Congresso eu até entendo a razão, afinal podiam ser acusados de parcialidade na avaliação das regras laborais daquele país apenas porque se tratava do país anfitrião lollllll

Os comentários estão fechados.