Das dores

Enquanto aguardava (im)pacientemente para ser visto pelo médico, durante mais de três horas e meia, tive a oportunidade de ir registando alguns dos diálogos que iam surgindo à minha volta. O mais hilariante deu-se entre um paciente e a recepcionista.

– Mas nas urgências o doente não é logo visto pelo médico?
– Mas aqui não são as urgências. Se o mandaram para cá das urgências a culpa não é nossa. Se o doutor tiver outros doentes à espera o senhor vai ter que esperar.
– A senhora está a dizer isso porque não sabe o que são as dores horríveis de um braço partido. Há uma hora que aqui estou à espera e nada!
– De um braço partido não sei, mas sei muito bem quais são as dores de um dedo partido!
– …

O A. e eu ríamo-nos para o lado que nem uns perdidos, perante o diálogo de surdos.

2 Respostas to “Das dores”

  1. ac Says:

    e o de uma unha partida?
    LOLLLL só mesmo tu para ligares as antenas para registarem registo enquanto aguardas com um joelho inchado!
    Beijinhos

  2. miguel Says:

    Uma pessoa tem que se rir de alguma coisa, não é? :)

Os comentários estão fechados.