Archive for Março, 2007

[foto] A Guerra dos Mundos

24 Março 2007

f002-24032007.png

[foto] Lá em cima…

24 Março 2007

f002-04032007jnb.png

Elementos dominantes

24 Março 2007

Claramente o ar e a água são elementos dominantes na minha existência. Podia ficar uma eternidade debaixo de água ou na água, como ainda acontece quando tenho condições para me divertir na água, ou a voar pelo tipo de imagens que nos proporciona a altitude. Mais algumas imagens de instantâneos do que me foi dado a ver nestas viagens e que não deixa de deslimbrar-me a cada viagem.

[foto] Aproximação a Luanda, visto de terra…

24 Março 2007

f001-24032007.png

Tempestades

24 Março 2007

Com o aproximar do fim da época das chuvas, todo um conjunto de acontecimentos atmosféricos antecipando a entrada da nova estação. Aos dias tórridos e húmidos têm sucedido noites com alguma trovoada e chuva, agora com maior intensidade. São simplesmente fenomenais o que nos é dado a observar, como se pode atestar nalgumas fotografias que a seguir se seguem.

[foto] À chegada

12 Março 2007

f003-04032007jnb.png

Lei do talião

12 Março 2007

Gostaríamos, nós os portugueses que residem actualmente em Angola, de agradecer profundamente ao agente que teve a feliz ideia de deter Pedro Mantorras. E, estou certo que conseguiremos, estamos a envidar todos os esforços para juntar dinheiro que nos permita pagar-lhe uma viagem a estas paragens para, em grupo, lhe mostrarmos o miradouro da Lua. O único senão é que terá que caminhar de olhos vendados e apenas poderá parar quando lhe dissermos para o fazer…

[foto] Sinais

8 Março 2007

f001-01032007.png

Nosso Super

8 Março 2007

Será inaugurado amanhã – se li bem no JA de hoje – o primeiro Nosso Super, supermercado de grande capacidade, na Boavista. O acontecimento está inserido no que foi designado por Programa de Reestruturação do Sistema de Logística e de Distribuição de Produtos Básicos à População (Presild). Ao todo, serão cerca de 10.000 novas unidades comerciais a construir em todo o país, com a Odebrecht a ficar com a construção dos grandes supermercados, centros de distribuição e mercados municipais, num investimento total até 2012 que totalizará, a preços actuais e de projecto lol, 1.007 milhões de USD. Realce para a criação de dezenas de milhar de postos de trabalho de Cabinda ao Cunene, para além da pretendida dinamização económica em todo o país. A parte interessante de uma notícia publicada há uns tempos pela Angop é que “ numa primeira fase, a Odebrecht vai gerir os supermercados com vista a recuperar os investimentos aplicados na construção e só posteriormente os estabelecimentos passarão às mãos de empresários nacionais, através de um concurso público.” (Hello? Is there anybody out there?!)

[foto] A fugir da tempestade

7 Março 2007

f001-04032007jnb.png

[foto] Marginal em dia de chuva

7 Março 2007

f001-20022007.png

Diz lá “bro”?

6 Março 2007

“Para uns dá a sensação dos técnicos desta empreitada apertada, serem homens vindos de Trás os Montes, Portugal, localidade onde existem mais carroças de boi, para regular a carros.”
in Pasquim do Costume, 03.03.2007

Confesso que não passa, de certa forma, de um exercício de masoquismo este que me empurra para a leitura de tudo o que se publica por estas paragens, com carácter periódico. Situa-me nos mais diversos contextos. Das lutas intestinas. Dos artigos pagos. Das tiradas mais fantásticas e inimagináveis que se poderiam alguma vez ler, surgem inesperadamente aqui e acolá. Tudo aceitável. Até a detestável publicidade recorrente da igreja dos 10%, mas enfim, já que não têm qualidade suficiente para sobreviver pelas vendas e outro tipo de publicidade, os jornais vendem-se a quem lhes paga mais (alguma coisa).

Este fim-de-semana, mais um daqueles artigos bestiais os quais já só nos provocam gargalhadas a cada palavra lida. Cada frase é o sonho de qualquer cómico de stand-up, assim, dadas de borla, ao alcance de qualquer um. Normalmente, os seus autores, que evidenciam alguma dificuldade estrutural na exposição das suas ideias (e ao que vão, embora se perceba logo nas primeiras 5 palavras), provocam em simultâneo no leitor espasmos ininterruptos, ora de fortes gargalhadas (coitado do difragma) ora de vómitos que quase provocam a ejecção do estômago.

Quanto ao autor do artigo de onde foi retirada aquela passagem, valerá a pena dizer o que quer que seja?! Apenas tenho que agradecer o facto de, quando estou algo aborrecido, saber sempre qual o jornal a comprar para dar umas boas gargalhadas…

Bù!

6 Março 2007

E quando tudo corria às mil maravilhas…

… a Sonangol protagonizou aquela que terá sido, até ao momento, o primeiro grande desaire chinês por estas bandas com um largo e sonoro não. A Sonaref, nova refinaria do Lobito, na gaveta há já uns largos anos e cujo arranque estava em fase de forte aceleração através da parceria com os chineses, acabou por ficar ao largo após imposições por parte dos chineses consideradas completamente inaceitáveis pela parte angolana. Com lucros recorde superiores a 1.000 milhões de USD em 2006, segundo a imprensa nacional, prevê-se agora que a Sonangol avance sozinha para a concretização deste projecto recorrendo a alguns parceiros internacionais nalgumas áreas técnicas.

Cabrito ou cabrita?

6 Março 2007

“As gerações mais novas já não viveram isso – embora ainda hoje estes resquícios permaneçam – mas antes da nossa independência eram comuns termos como cafuso, preto fulo ou cabrito que, quando tenro, proporciona uma saborosa caldeirada, sobretudo ao domingo. “

Aguiar dos Santos
in Agora Ano XI, 03.03.2007, nº 517

The State of Africa

1 Março 2007

074323221602_aa240_sclzzzzzzz_.jpg

Em mais uma incursão à África do Sul, a leitura de um livro que é, até ao momento, excepcional sobre o continente africano nos seus já 50 anos de independência. Recomendo a todos os que gostam (ou não) de África, aos que por lá passaram e aos que pensam poder um dia por lá passar. Para quem, como eu, ouviu falar de passagem, nos bancos da universidade, em nomes como Sékou Touré, Kwame Nkrumah, Léopold Senghor, entre outros, é uma verdadeira delícia ler com alguma “profundidade” adicional, como tudo se terá processado no continente, de como uma experiência britânica deu origem à independência do Gana, há 50 anos atrás. E, a partir daí, todo o início de um processo que seria imparável. 752 páginas de um documento que merece estar na nossa biblioteca pessoal.