Do svidania

Boris, filho de Nikolai.

Graças a ele uma das piores noites de que tenho memória, cheia de pesadelos made in Praça Vermelha, depois de algumas horas de acompanhamento, em directo pela Sky News, da evolução da crise. Chacota à parte por ter protagonizado das cenas mais hilariantes alguma vez vistas num chefe de Estado, fortes reservas pela forma como precipitou a implosão da URSS e tudo o que se lhe seguiu, estando ainda longe de ter terminado, incluindo, sobretudo, o ter entregue de mão beijada o mundo aos norte-americanos.

5 Respostas to “Do svidania”

  1. miguel A. Says:

    Ambos sabemos k a Urss já tinha implodido mto tempo, tanto economica como socialmente. Ditaduras do proletariado… era só uma questão de tempo. O ser humano é ambicioso por natureza e não funciona por decretos… spassiba

  2. miguel Says:

    miguel A., discordo desse ponto de vista. Estava segura pelas pontas após a introdução da Perestroika e Glasnost de Gorbachiov, pelo que, enfim, o enterro da URSS e a criação da CEI nos moldes em que ocorreram têm muito que se lhe diga. Sobretudo porque, com tantos problemas internos de diversa natureza por resolver, de que forma poderia a entidade enfraquecida que resultou do colapso da URSS fazer frente ao que quer que seja? Sobretudo com uma Europa tão dividida no que diz respeito à política e segurança externas? Adiante…

    Quanto à segunda parte do teu comentário, não defendo de forma alguma as ditaduras, quaisquer que elas sejam, implicaria aqui uma dissertação sobre a natureza humana a qual levar-nos-ia a grandes discussões dependendo do “pensador” com o qual tenhamos mais afinidades, tão diferentes são as opiniões. Embora concorde em parte quando dizes que o ser humano é ambicioso por natureza, qual o limite da ambição? Haverá? E se houver, o que há depois? Quanto aos decretos, não funcionaremos todos nós, nas nossas sociedades, em função dos decretos que nos são “impostos” e que tornam tudo isto possível sem nos matarmos/amarmos todos uns aos outros?

    Пожалуйста ;)

  3. miguel A. Says:

    Querido amigo (com o devido respeito pelo ‘chefe do blog’) a minha mulher é polaca. Namorámos 7 anos, por isso sou capaz de ter visto mais coisas do que tu…e já lá vão mais 15 de casamento…logo, 2 décadas e uns trocos… E só tenho 37 (gargalhada).

    Agora a sério, o comunismo é um sistema que nunca poderia funcionar. Se tu quiseres montar uma empresa tua, podes fazê-lo sem problema. Se quisesses montar uma empresa na URSS, nem k fosse de papel higiénico, não podias. Eras logo acusado de capitalista, palavra maldita naqueles tempos…e proscrito até ao fim dos teus dias.

    Outra coisa: eu sempre gostei de trabalhar muito, fui educado assim (à “antiga”, como se dizia). Se o meu vizinho do lado ganhar o mesmo que eu e não mexer uma palha durante o dia, faltar constantemente e arranjar as desculpas mais estapafurdias, etc., etc., qual é a tua reacção?

    Mas concordo inteiramente contigo quando dizes que os americanos ficaram com o mundo “na mão”, e nestas coisas tem de haver sempre um equilibrio de coisas.

    São só mais 10 anos até os chineses ocuparem o lugar que foi da ex-Urss., na minha opinião…

    Forte abraço e viva a troca de galhardetes, expoente máximo da democracia… e que não era possível de fazer naqueles países.

    De resto, não há sistema perfeito, mas uns (bem) melhores k outros

  4. miguel Says:

    LOL! Atenção, não sei se ainda te lembras de alguns posts que aqui deixei sobre a minha ida à Bulgária. Quanto a aplicações práticas de comunismo acho que estamos falados. Não é por aí. A minha abordagem não recai sobre a temática melhor/pior sistema. O meu problema e grande preocupação é a forma como o mundo evolui e o mundo em que vivemos. O passado já lá vai mas permitiu-nos perceber muita coisa. Que “isto” não vai bem, não. Até já há quem pense que o mundo não escapará a uma “revolução” global, à séria, nos próximos 20 anos.

  5. miguel A. Says:

    Claro k me lembro. O Miguel Azevedo e Miguel A são o mesmo, foi só uma questão de abreviação… mas tou de acordo, isto vai voltar a aquecer, e não vai demorar 20 anos…

Os comentários estão fechados.