Portugal SA

Já no outro dia, aquando da constituição de um sindicato bancário com um determinado propósito, tinha ficado algo perplexo com a ausência de conteúdo, apesar da enorme quantidade de palavras, da mensagem do responsável máximo de um banco português por cá. É uma postura.

Hoje, fiquei perplexo com toda a intervenção de um quadro (e responsável máximo) de uma conhecida empresa portuguesa junto de um público maioritariamente angolano. Muito mau. Ficámos incrédulos. Bons fatos, canetas douradas e relógios de marca não são suficientes para vingar. Muito menos a adopção de salpicos paternalistas numa intervenção mal preparada, prenhe de contradições e inconsistente com a mensagem que se pretendia passar. Já para não falar do remate descaradamente bajulador que, quantas vezes, é muito mais ofensivo pelo facto de não ser genuíno.

Como é que se escolhem estas pessoas que são enviadas para terras tão longínquas?

(Um dia destes volto a este tema com mais calma, tal não é a quantidade de episódios inacreditáveis que vamos registando aqui e acolá. Depois, como é que podemos ficar surpreendidos?)

99 Respostas to “Portugal SA”

  1. Alemão Says:

    Não fosse ter estado presente, diria que não acreditava!!!!!
    Realmente foram todos um pouco longe de mais!

  2. miguel Says:

    Alemão, não te sabia leitor do meu blog lol! Peço-te apenas que não assines com o teu nome, como deves imaginar. Foi mesmo hilariante. Um abraço.

  3. Mario Says:

    Caro Miguel, os meus míseros 39 dias em Luanda já me deram para perceber que é mais fácil encontrar diamantes neste país que técnicos qualificados em qualquer área. Por isso não é de espantar que as poucas pessoas que aceitem vir para cá não sejam o tipo de profissionais que prepara e estuda com cuidado as suas intervenções em público. Mas aguardo mais episódios deste género.

  4. pp Says:

    (parece-me que… o mario ainda nao conhece muitas pessoas e esta’ na fase critica, os 90 dias, um dia vai perceber que ha’ “diamantes qualificados” neste pais)

    [sempre de prata :)]

  5. Mario Says:

    Caro pp, essa marca dos 90 dias é realmente uma fronteira psicológica importante. Ainda a semana passada estava decidido a não a ultrapassar, e meter a viola no saco no final do primeiro visto, mas caído do nada surgiu um compromisso profissional que me vai fazer atingir pelo menos os 150 dias. Falamos no 150º dia a ver se encontrei alguns desses diamantes qualificados! :)

  6. miguel A. Says:

    Calma Mário, isto aqui é para Homens com H maíusculo (aqui vale a regra do masculino, mas tb se aplica às sras, como é obvio…). Já vou nos 70 e tal´(logo um veterano lol) e isto tem de se levar com jogo de cintura.

    Quanto à opinião da PP, é capaz de os haver, mas estão lá bem enterrados junto dos diamantes que ainda não foram descobertos, na minha opinião…

  7. pp Says:

    ahahaha veterano!!!!
    meu fiel companheiro do blog, a esta hora o mario ja deve ter percebido que nao sou “Caro pp” mas sim a pp, enfim, ca’ nos vamos conhecendo.
    Quanto aos diamantes qualificados GARANTO que os HA’!!

    [sempre de prata:)

  8. Mario Says:

    Agora que já sei quem é quem aqui pelo sdblog aproveito para perguntar qual era o jornal a que fazia referencia um post recente. Tenho comprado o jornal Angolense porque me disseram que é da oposição :) O Jornal de Angola nem consigo folhear sequer que tresanda a propaganda do regime.

    Bom fim de semana!

  9. ss Says:

    bem, ando desde ontem a tentar saber um pouco mais sobre como é viver em luanda. sou enfermeira estou em portugal e ando muito farta disto. vivi em luanda até aos 9 anos, hoje tenho 40 mas as saudades sao muitas. ontem deu na tvi uma reportagem sobre luanda que me deixou a pensar muito. alguem me quer esclarecer um pouco se valera a pena sonhar?

  10. Mario Says:

    Cara ss, não sonhe :) não vi a reportagem, os meus pais contaram-me um pouco do que passou nela e deu para perceber que é mais uma daquelas tentativas de distorcer a realidade.

    Um comentário interessante é este:
    http://www.noticiaslusofonas.com/view.php?load=arcview&article=17656&catogory=Alto%20Hama

    Suponho que na reportagem não mostraram o lixo espalhado nas ruas menos nobres, a lama verde e nauseabunda que se acumula nas sarjetas, os aleijados a pedir em todos os semáforos, os inspectores a perseguir os vendedores ambulantes que não tem outro emprego senão tentar vender qualquer coisa na rua, os carros de 30 mil contos dos tais portugueses que vivem vidas de sonho, os restaurantes de luxo onde só se vêm estrangeiros, os apartamentos a 2 milhões de usd, os mortos por atropelamento nas estradas, as crianças a brincar em lagos de lama, a corrupção generalizada, os assaltos…

    Para além deste blog recomendo-lhe o de um espanhol que cá está:

    http://quienmemandabaami.blogspot.com/search/label/Vivencias%20Angola

    São das poucas pessoas que escrevem sobre a realidade real desta cidade.

    Mas como dizia a pp, ainda não atingi os 90 dias cá :)

  11. miguel A. Says:

    A opinião mais válida é mesmo do Miguel “chefe-do-blog”. Na minha opinião, quem viveu aqui até aos 9 anos, se se lembrar disto, vai detestar o regresso. A reportagem mostra apenas os postais ilustrados, não tem nada a ver com o dia a dia. Eu pela minha parte gosto, embora reconheça que é muito violenta a vida em Luanda, clima, transito, ‘gasosas’, etc.

    O melhor é mesmo vir cá primeiro, 15 dias, e ver com os próprios olhos.

    PP, se o dizes, acredito. Por aqui tenho efectivamente uma equipa mto boa, mesmo para padrões ‘Europeus’, mas daí a diamantes….

  12. pp Says:

    SS,

    nao perca tempo a sonhar venha VIVER e seja FELIZ !!!

    (ok… o mario nao vai concordar mas tambem esta na fase critica lol]

    [sempre de prata:)]

  13. pp Says:

    meu fiel companheiro do blog, esses, ha’ que lapida-los :)

    [sempre de prata:)]

  14. miguel A. Says:

    Olá PP. Claro, se fosse fácil tb não tinha piada nenhuma

    No dia 1 de Março, o Miguel escreveu sobre um livro – The state of África, 50 years of Independence – e ambos manifestámos vontade em adquiro-lo. Consegui encontrar hoje em Joansb’ o tal livro e mandei vir 2 un. 1 para mim, outro para ti. AInda estás interessada? Preço = 206 Rds / aprox. 30 USD. Posso validar?

  15. ss Says:

    ah ah.. teve piada essa do marido e da fase critica! sim é uma boa sugestão, estou a pensar passar ai umas mini ferias. Mas nao me parece que o clima me incomode, antes pelo contrario, é entre muitas outras coisas o que sinto saudades. obrigada por ter respondido! ah..e gostei do blog

  16. ss Says:

    Mas já agora nao posso deixar de comentar, se me permitem, o comentário lá acima: Por acaso os senhores de fato que interagem ai nao serão os mesmos que circulam por aqui?? Tenho muitas duvidas se haverá melhores tecnicos em Portugal!! Mas uma coisa é discurso outra é accão!

  17. Mario Says:

    Cá vai o comentário de quem ainda está na fase crítica :) (não podia deixar ficar mal a PP)

    Quando o Miguel A. fala em violência na vida em Luanda eu entendo o seguinte:

    – o crime que é uma sombra constante desde o assalto ao rapto;
    – o trânsito caótico e imprevisível, pode-se demorar horas a fazer trajectos de 15 minutos;
    – as falhas constantes de luz e água;
    – as filas de horas para comprar gasóleo tanto para o carro como para o gerador (bem essencial);
    – a pobreza e a miséria estampada na face de muitos que deambulam pelas ruas;
    – os pedintes nos cruzamentos;
    – a sensação constante de ser observado como um branco rico que tem obrigação de dar gorjeta por ser branco;
    – o cheiro nauseabundo da lama e do lixo;
    – os preços absurdos dos iogurtes e da fruta na generalidade dos supermercados;
    – a total falta de civismo e educação de 95% dos condutores e peões;
    – o medo de atropelar alguém e correr o risco de ser linchado;
    – a presença constante de polícias de trânsito que podem pegar por tudo e por nada para obter um suborno;
    – sentir que os colegas angolanos ainda olham o português como o colono;
    – a ostentação ridícula de carros topo de gama.

    Também há coisas boas, mas estas que enumerei não aparecem nas reportagens da tv e praticamente ninguém fala nelas. Tudo isto é superável se bem integrada num trabalho interessante, com uma rede de amigos prontos a ajudar, com uma casa numa zona calma da cidade com todas as condições e acima de tudo com muita vontade de cá ficar.

  18. ss Says:

    ok ok..ainda há quem goste de arriscar:)

  19. Mario Says:

    Esqueci-me de mais alguns pontos descurados pela reportagem:

    – a Malária que se apanha de uma simples picada de mosquito;
    – a água da torneira que é preciso ferver para tudo porque pode ter cólera;
    – não se pode tomar banho em rios e piscinas para não apanhar infecções e outros bichos;
    – a total falta de respeito pelo descanso dos outros com festas e concertos e música aos gritos até altas horas da madrugada ao fim de semana;
    – a falta de civismo até nas filas de supermercado;
    – a ausência de liberdade de expressão de uma ditadura disfarçada;
    – a corrupção a todos os níveis da sociedade.

    Arrisque, mas pelo menos faça-o consciente daquilo em que se está a meter. :) Se se apressar ainda me apanha por cá :) para trocarmos ideias.

  20. miguel Says:

    Ei lá! Isto aqui anda animado! Assim dá gosto. Deixa-me ler isto com calma… :p

  21. miguel Says:

    Mario, é tudo uma questão de quem conhecemos. Embora eu não goste muito de rotular por esse prisma – lá na nossa terrinha não será também assim?! ou será toda a gente de grande qualidade? – há muita gente por cá com grande qualidade, tal como havia em Moçambique quando por lá andei e os quais não se encontram “assim” sem mais nem menos. Os 90 dias são mesmo um momento crítico. Destes anos todos de África foi o que invariavelmente vi noutros e em mim próprio. Aliás, ao fim de 4 meses em Moçambique disse aos responsáveis que ou deixavam-me ir a Portugal de férias ou ia-me embora. Nada comparável com os dias de hoje mas aceito que, ainda hoje, mesmo Luanda ou uma Maputo possa fazer muita confusão a quem nunca esteve em África, nesta África.

    miguel A., não direi com H maiúsculo mas que África não é para toda a gente, não. De forma alguma. Daí que a selecção dos quadros para Angola tenha que ser feita de forma bem específica por forma a garantir que as pessoas permaneçam por cá mais do que 30, 60 ou 90 dias lol!…

    Mario, apenas um pequeno reparo quanto aos jornais… nem tudo o que parece é, lol! O Jornal de Angola é imprescindível na leitura diária pela quantidade e qualidade da informação prestada a qual é preciso saber-se interpretar (tal como nos outros, já agora…).

    ss, não vi a reportagem que por aí passou. Por norma são dois os tipos de reportagens que passam nos canais portugueses: ou muito mau ou excelente! LOL! Luanda não é nada fácil e quantas vezes não dou comigo a pensar como seria bom viver na província… Quanto a sonhos, acho que não vale a pena imaginar o que já não existe. A vida por cá é muito boa, para alguns. Se eu não tivesse que trabalhar, tivesse uma casa no Mussulo (né!), embarcação própria, um casarão em Luanda e pudesse viajar para o exterior em qualquer momento, decerto que este seria um sítio excelente para se viver (bom, mas sempre há a noite de Luanda que é excelente, o cacusso, o feijão com óleo de dendem, mandioca, farinha musseque, banana pão frita, batata doce, etc e tal…).

    Mario, comentários há muitos e cada qual tem a sua opinião. Pelo que li, se de facto assim foi a reportagem, recorda-me uma outra feita para o Expresso que me fez rir e ainda outra quando estava em Moçambique, também para o Expresso, em que só mostraram casos de “sucesso” (o que quer que isso queira dizer) e só portugueses residentes em Maputo. Enfim, o demérito fica com os jornalistas ou a orientação editorial de quem lhes encomendou ou aprovou a iniciativa. Por último, em relação ao teu comentário, duas questões apenas: é verdade que a vida por cá tem muitas vertentes, porém nunca foi meu objectivo tornar este blog uma espécie de 24 horas ou O Diabo. Por outro lado, não sofro de qualquer tipo de recalcamento relativamente ao antigo Ultramar português. Não sou de cá, ninguém da minha família viveu cá, por isso tenho uma visão neutra do estar cá.

    Concordo com o miguel A.. Realmente o ideal serão umas férias por cá ss. O ano passado estiveram cá uns amigos meus que tinham nascido em Ndalatando (Salazar). Levei-os lá, ao sítio de onde tinham saído há 32 anos. O meu grande amigo não se lembrava de nada, já a irmã, uns anos mais velha, lembrava-se de muita coisa. Foi o fecho de um processo que nunca tinha sido encerrado, desta vez para sempre. Rever a casa, as divisões, as ruas, a maternidade, a escola, enfim… Muitas são as pessoas que pensam nestas paragens com muitas ilusões porque estão fartas de estar por aí. Também eu o fiz em 1995 quando fui pela primeira vez para Moçambique, farto que estava do cavaquismo e do Portugal da época. Fiz-me à estrada, mas de forma segura e não apenas com uma mochila às costas… Cuidado, pois nestes anos de África já vi muita coisa, incluindo pessoas sem possibilidade de inverter as decisões tomadas.

    Este blog está interessantíssimo. Até já se fazem transacções comerciais e tudo! LOL! Mesmo assim miguel A. cheira-me que isso já tem margem! ahahahahahahahaha

    ss, obrigado quanto ao blog. Quanto aos senhores de fato e gravata, claro que são os mesmos. Se andam a exportá-los para cá… :pppppppp

    Exactamente Mario. Lixado é ao fim de vários anos ainda pensar mais ou menos o mesmo. Felizmente com muitas nuances pois são muitas as pessoas porreiras que há por cá – refiro-me a angolanos – e que sofrem na pele exactamente o mesmo que nós em muitos domínios e não são como referiste. Ainda quanto a esses aspectos negativos, há que saber relativizá-los, enquadrares-te num ambiente mais cosmopolita onde há angolanos como eu e tu, com uma visão diferente da que apontaste, caso contrário não aguentas por cá muito mais tempo.

    Mario, quanto a este último comentário, é claramente excessivo lol! Com o tempo perceberás que não é bem assim. Lembras-me os recém-chegados que tomam mil e um cuidados e nós, os que já cá andamos há algum tempo, nos escangalhamos a rir e até provocamos algumas situações. A outra abordagem é a tua mas que decerto sofrerá alterações ao longo da tua estadia.

  22. Mario Says:

    Caro Miguel, obrigado pela paciência e abertura na sua resposta. (e pelos 38 minutos que gastou a escrever a resposta :)

    Claro que os meus comentários são excessivos e a história da higiene demasiado empolada, mas para quem nunca tinha atravessado o equador como eu, foram o primeiro choque e foi assim que me senti nos primeiros dias. Com o tempo e começando a conhecer as pessoas um pouco mais tudo se relativiza, já senti isso.

    Mas passar 12 horas sozinho sem energia em casa, sem bateria no telemóvel, com uma avaria no gerador dá cabo do ânimo a qualquer um e para isso não há preparação possível.

  23. miguel Says:

    Olá Mario ;)

    Quanto ao passar-se sozinho em casa 12 horas, nessas condições, não é nada de novo. Um excelente remédio para essas ocasiões, à falta de melhor, é mesmo pôr-se o sono em dia… :ppppppppppp

  24. ss Says:

    Engraçado, do pouco que li do Mário apercebi-me que certamente não conhecia áfrica, ai sim, acredito que o choque seja tremendo!! ainda dá pa notar que esta em transe..com o cheiro:) Embora tenha saido de Luanda aos 9 anos, lembro-me de tudo. Morei na Vila Alice, nos Combatentes e na General Carmona, aqui andei no Colégio Augusto Gil, não vejo a hora de rever tudinho.

    • Margarida Sa'-Sawyer Says:

      Andei na internet p/ encontrar qualquer referencia ao Colegio Augusto Gil em Luanda (onde eu estudei da 1* ‘a 4* class).
      Agora estou a viver em Sydney, na Australia, e c/ a minha propria familia todos nascidos na Australia temos andado a fazer a arvore da familia. E gostaria de ter fotos das escolas que frequentei (colegio Augusto Gil e o Liceu D.Guiomar de Lencastre ou tb chamado “Liceu feminino” em Luanda.
      Agradeceria se alguem tivesse qualquer foto dessas escolas, se poderia enviar copias.
      O meu nome e’ Margarida Sa’-Sawyer – email: msasawyer@gmail.com

  25. Mario Says:

    Cara SS, se quiser fotos actuais dessa zona para não ficar tão chocada quando cá vier não me importo de no fim de semana tirar algumas porque
    moro na rua Fernando Pessoa e trabalho do outro lado da Vila Alice junto à estrada de Catete.

    Caso consiga identificar no google earth a sua antiga casa mande-me as coordenadas que dou lá um salto para fotografar. Por uns míseros 1300€ para a TAP e mais uma chatices para pedir o visto ordinário pode vir tirar a limpo as minhas opiniões extremistas ;)

  26. miguel A. Says:

    Bem, isto é que foi dar aos dedos ontem à noite. Como só tenho computador na empresa, quem levou 36 min. para ler isto tudo fui eu.

    Comentários lucidos e de muita gente na fase crítica. Todas os comentários são excelentes, mas há uma coisa que todos nos devemos lembrar: todos (ou quase) os que estão aqui fizeram uma opção delivre vontade, motivada pelas dificuldades vividas no ‘rectangulo’ luso. Por isso, para quem não conhecia a realidade Africana e via apenas as reportagens cor de rosa e os comentários do Marcelo Rebelo de Sousa, fica naturalmente chocado.

    Por mim, vivo um dia de cada vez. Tenho de viajar por motivos profissionais para Portugal a 27, mas tou a fazer tudo para resolver os temas k tenho pendentes em 10 dias uteis, para voltar depressa.

    Miguel A, juro que não tem margem nenhuma…. São os colegas da minha empresa, filial SA, que o encontraram num site da net, o qual posso disponibilizar. Mas face à excelencia do livro e tendo em conta as variantes de preço, até me pareceu um preço razoável, embora para o carote. A factura da compra das 2 unidades mostro-a à PP, para evitar mal entendidos.

    E DE FACTO ESTE BLOG TÁ MESMO MUITO INTERESSANTE

  27. ss Says:

    :) Muito interessante mesmo, certamente por ser partilhdo por pessoas interessantes, não!? vou tentar se capto algo no google earth..inté :)

  28. miguel Says:

    miguel A. não leves a mal lol! Eu é que sou um grande tangueiro e obviamente estava a entrar contigo e não podia desperdiçar (alguma vez?) uma oportunidade destas! :ppppppp (sobretudo enquadrado no nosso contexto)

  29. miguel A. Says:

    OK, tás perdoado!! A pp é que vai pensar que eu estava a por IVA onde ele não existe :)

  30. pp Says:

    amei ler tudo isto depois de algum tempo “away”… E’ BOM VOLTAR!!!!!
    Chefe do Blog, meu fiel companheiro (miguel A.), Mario e ss, Angola vale a pena, uma questao de tempo, so’ uma questao de tempo para saber ama-la “the way she is”… (o Chefe do Blog sabe isto muito bem)

    meu fiel companheiro, fico a espera do livro (30 usd ja com as taxas alfandegarias??? lol… passava isso bem debaixo do braco… para os fieis companheiros ha desconto LOL)

    [sempre de prata:)]

  31. pp Says:

    isto de estarmos ausentes…
    lol e’ o que da’ apaixonarmo-nos (por vezes acontece-me, raramente mas acontece)

    gosto mesmo de partilhar sempre algo de bom :)

    [sempre de prata:)]

  32. miguel A. Says:

    ‘Fiel companheira’ pp, a encomenda é feita via internet. E não tenho ccomissões LOL…

  33. pp Says:

    mas… fiel companheiro nao esta ja em Luanda, o livro????

    [sempre de prata :)]

  34. miguel A. Says:

    Ainda não…. tive adoentado estes ultimos dias e cheio de trabalho para despachar… deve demorar mais uns 2 ou 3 dias. Sorry

  35. pp Says:

    :) fiel companheiro, vou esperar quanto mais nao seja depois do regresso de Portugal…

    as melhoras!!!!!

    [sempre de prata:)]

  36. miguel A. Says:

    OK pp, tá combinado. Já passou a moléstia, dá forte mas passa depressa.

    Viajo para a semana, penso que ainda deva chegar antes, mas como tamos em África… vamos aguardar.

    Obrigado

  37. pp Says:

    Depois de ler e reler…
    eu sei, ainda nao atingiu a meta mas mario!!!!!

    – o crime que é uma sombra constante desde o assalto ao rapto (mario, essa sombra esta em todo o mundo, por vezes menor, por vezes igual e muitas vezes bem maior)
    – o trânsito caótico e imprevisível, pode-se demorar horas a fazer trajectos de 15 minutos (lol Lisboa e Porto, 15 minutos e’ suficiente para fazer o percurso casa/escritorio???)
    – as falhas constantes de luz e água (geradores, bombas, tanques, ups… se o mario estivesse ca’ ha 15 anos teria fugido lol)
    – as filas de horas para comprar gasóleo tanto para o carro como para o gerador (bem essencial) (sera’ que quando vou a PT o preco da gasolina sobe sempre???)
    – a pobreza e a miséria estampada na face de muitos que deambulam pelas ruas (ahhhh as tais tao camufladas em PT, quando os portugueses deixarem de ter vergonha de serem pobres ou quando um dia o dinheiro para pagar o cartao do Jumbo nao for suficiente… falaremos)
    – os pedintes nos cruzamentos (ou terei eu uma visao imaginaria mas quem serao aqueles romenos com criancinhas ao colo nos semaforos???)
    – a sensação constante de ser observado como um branco rico que tem obrigação de dar gorjeta por ser branco (ahhh e’ tao importante a atitude, somos todos iguais…)
    – o cheiro nauseabundo da lama e do lixo (ha’ falhas que se resolvem com o tempo)
    – os preços absurdos dos iogurtes e da fruta na generalidade dos supermercados (sera’ que o ordenado minimo e as pensoes dos idosos aumentaram em PT???)
    – a total falta de civismo e educação de 95% dos condutores e peões (porque terei eu esta mesma sensacao em PT???)
    – o medo de atropelar alguém e correr o risco de ser linchado (os primeiros 90 dias sao uma aprendizagem de conducao em Luanda)
    – a presença constante de polícias de trânsito que podem pegar por tudo e por nada para obter um suborno (ha’ que saber conversar e nao fazer aquilo com que nao se concorda… lol o Chefe do blog um dia ate’ o carro deixou e os azulinhos a olharem para ele…)
    – sentir que os colegas angolanos ainda olham o português como o colono (nao concordo!)
    – a ostentação ridícula de carros topo de gama (pagos!! sera que o mario sabe a situacao dos pagamentos do leasing em PT???
    – a Malária que se apanha de uma simples picada de mosquito (nao uma simples picada de mosquito mas sim provocada a noite e pela femea mosquito, aqui poderia explicar-lhe muito mais, um dia dou-lhe o melhor site)
    – a água da torneira que é preciso ferver para tudo porque pode ter cólera (ora!!! se as infrastruturas nao estao em boas condicoes, e’ obvio!!! em Pt ha’ uns bons anos tambem se fez e depois ha’ a agua mineral, a qual em PT faz parte dos habitos apesar de a agua potavel ser optima)
    – não se pode tomar banho em rios e piscinas para não apanhar infecções e outros bichos (mas onde ira’ o mario passear???)
    – a total falta de respeito pelo descanso dos outros com festas e concertos e música aos gritos até altas horas da madrugada ao fim de semana (mario. Africa e’ Africa, pessoas que apesar de todo o sofrimento conseguem ser FELIZES, seria melhor ve-los chorar ou de mau humor???)
    – a falta de civismo até nas filas de supermercado (pergunte a um deficiente o que e’ viver em PT, a uma gravida ou a uma mae com bebe…)
    – a ausência de liberdade de expressão de uma ditadura disfarçada (ha’ que saber como usar a liberdade de expressao)
    – a corrupção a todos os níveis da sociedade (lol… isn’t that eveywhere???)

    …ainda me pergunto se o mario veio de alguma ilha paradisiaca algures num dos oceanos

    (uffff terminei com a sensacao divinal que adoro esta Africa)

    [eternamente de prata:)

  38. pp Says:

    *everywhere

    Chefe do blog isto esta’ a dar muito pano para mangas :pppp

    [sempre de prata:)]

  39. maria Says:

    pp,eu já vivi ai…e, gostei de te ler! ;)

  40. miguel A. Says:

    Bom, acho que um só post nunca tinha dado pano para tanta ‘manga’…

    ufa… isto promete

  41. catarina Says:

    Bom, eu como não vou a Luanda desde 1975 (a guerra já estava na rua, nessa altura, com racionamentos, recolher obrigatório, barricadas, morteirada, etc e tal) só sei o que oiço contar, gostei dessa comparação da pp. É verdade: em Portugal também há muita pobreza disfarçada, trânsito caótico, falta de civismo, crime e por aí fora.
    Mas sim, nota-se que adora essa África.:)

  42. miguel Says:

    Tenho que comentar?! LOL!

  43. miguel Says:

    Bem, antes de mais, lol, é mesmo bom esse sentimento pp. Aproveita lol! E ainda bem que o nosso fiel miguel A. recuperou entretanto (é o que dá ler isto a espaços).

  44. miguel Says:

    Ora bem, quanto à questão de fundo que levantou alguma polémica (isto sou eu a picar, reparem lol), é claro que compreendo o Mario e a pp. O choque, por cá, é inevitável. Para quem chega. Como já disse, tem coisas fantásticas e que a mim me dão muito gozo pois dizem respeito a todo um conjunto de “coisas” que há muito se perderam em tantas partes do mundo… Mas tem o outro lado.

    Luanda, na minha perspectiva, não pode ser considerado um exemplo já que nada mais é, de forma redutora, do que uma uma amálgama de tudo, resultado de muitos anos de guerra, dando origem à confusão que hoje se vive e vê na capital. Se se passasse por uma experiência fora de Luanda, se calhar, a opinião seria algo diferente.

    Há algo que sempre me incomodou em qualquer parte, fosse ele no Alto Gingone, 4 de Fevereiro ou numa qualquer rua de Lisboa: a fome e miséria estampada no rosto das pessoas. Na terra dos outros há, pelo menos, 3 formas de reagir: ajudamos no que pudermos no momento em que somos confrontados com a situação, ajudamos apoiando com um emprego ou ignoramos. Já utilizei as 3. A primeira com a esmola, a segunda dando emprego e a terceira como única forma de permanecer por cá senão não aguentaria ver tanto sofrimento à minha volta – sobretudo em Moçambique. Já na minha terra, é diferente. Jamais esquecerei estar parado num semáforo numa transversa da Avenida de Roma e um velhote com bom ar, aproximar-se e pedir dinheiro para a sopa porque a reforma mal dava para os medicamentos. Olhei para o homem, a roupa já algo usada e com alguns buracos, mas com bom aspecto e dei-lhe uma fortuna com o coração completamente despedaçado. Um gajo trabalhar uma vida inteira e depois ver-se naquela situação. Depois um gajo é comunista…

    Mas muito do que diz o Mario, o tempo, se o houver, mostrar-lhe-á uma outra África.

    Podia ainda referir tantas coisas. Mario, foi em Portugal que me partiram o maxilar com um valente murro na estação da CP do Cais-do-Sodré, ou que me assaltaram com uma seringa, ou com faca, etc etc etc etc etc etc e eram todos brancos… lol!

    Acima de tudo é, tendo em consideração a motivação que nos faz sair de tão longe, tratando-se de uma pílula, arranjar forma de a dourar…

    Um abraço e qualquer coisa, cá estamos para apoiar ;)

  45. miguel Says:

    catarina, é mesmo da noite para o dia, com alguns postais que perduraram como é natural neste tipo de situações.

    E que grande manga, tanto é o pano! :ppppppp

  46. Mario Says:

    Cara pp e caro Miguel,

    Obrigado pelas vossas respostas. Compreendo a vossa visão e opinião sobre Luanda mas não concordo que se diga a quem nunca cá veio que isto é porreiro e o com o tempo se vê as coisas de outra forma. E em quem nunca cá veio incluo quem cá esteve no pré-independência.

    Foi o que me fizeram a mim, pintaram uma imagem simpática, os problemas superam-se e tal, e isso é pura desonestidade. Há problemas estruturais gravíssimos neste país que deixam uma parte enorme da população na miséria e a outra que tem sorte em trabalhar ganha 200usd por mês que não chegam para a renda e para o transporte para o trabalho.

    A minha ilha paradisíaca é a Europa onde sempre vivi. Não é comparável o crime, transito e pobreza que há em Portugal e repito que acho desonesto dizer-se a quem não conhece esta realidade que cá há os problemas que há em Portugal. O Miguel disse-o bem, só temos uma alternativa, ignorar.

    Claro que a vida por cá pode ser porreira se estiver disposto a pagar 750 usd por mês:
    – 200 para a empregada de limpeza,
    – 200 para o segurança da casa,
    – 250 para o motorista.

    Assim eu também não saberia quanto tempo se fica à espera numa bomba de gasolina (porque mandava lá o motorista), quantas vezes é preciso mudar o óleo a um gerador (porque o segurança tratava disso), quantas vezes é preciso chamar o camião da água para encher o tanque (porque a empregada tratava disso), não saberia como é complicado conduzir em ruas apinhadas de carros com motorizadas a passar a alta velocidade (sem capacete) em todos os sentido (porque tinha um motorista de serviço) e por aí adiante.

    Também devo ser comunista afinal por achar que pagar 1usd por hora a alguém para fazer o que quer que seja é exploração.

    Então agora eu viro o bico ao prego, quais são então os pontos positivos de viver e trabalhar em Luanda? :)

    Um bom dia a todos! E obrigado pela companhia virtual ;)

  47. miguel A. Says:

    Caro Mário, calma, não entre em stress….

    De facto, tal como sugerimos à SS, o melhor é sempre vir primeiro 15 dias de ‘férias’ e ver se de facto se aguenta isto, pq realmente, tal como eu dizia há dias atrás, é preciso ‘peito’ para levar a coisa com algum nível… e com menos nervos…

    Tb temos de reconhecer que acreditar em quem diga que num país Africano (com 30 anos de uma guerra civil violentissima, com problemas estruturais gravissimos, 60% da população total a viver na capital, quando esta, no máximo, estaria preparada para 1 milhão de pessoas, etc, etc) e com um assobio para o lado se suportaria tudo numa boa, não é muito famoso, né :)

    Isso seria, quando muito, para quem só viu a reportagem da TVI do outro dia (eu não vi, só li nalguns sites o que foi mostrado…)

    Agora, o melhor é de facto pensar naquela publicidade que o Fernando Pessoa criou para a Coca-Cola, na década de 30 do Sec. passado (e que não foi aprovada por Salazar, diga-se de passagem), que dizia ‘Primeiro estranha-se, depois entranha-se…” e vai ver que os próximos 150 custam muito menos…

    Pontos positivos, e falando por mim:

    – Bom tempo 12 meses por ano (o cacimbo é duro, mas suporta-se bem :)
    – Praia outro tanto tempo
    – Paisagens unicas, saíndo da capital
    – Boa gente (tb os há, calma)
    – Sair do trabalho e não ter problema em ir beber uma cerveja gelada, com amigos
    – etc, etc

    PS – Tb não tenho motorista, nem segurança à porta de casa; apenas uma srª que lá vai lavar e passar a roupa a ferro, para evitar que eu, em vez de gastar os tais 200 usd no seu salário, ainda consiga poupar mais 300. no total, tal seria a quantidade de roupa que eu destruiria sózinho… lol

    E em Portugal, não há empregadas domésticas? nem motoristas? nem corrupção? nem compadrio? nem nada dessas coisas?

    Oiça a opinião que os Alemães têm de nós, que os Ingleses (basta ver o caso da menina desaparecida, logo os Ingleses que têm uma taxa de violencia infantil elevadissima e que raramente apanham o que quer que seja) e os Franceses dizem de nós, e fica logo a ver a coisa de maneira diferente…

    Abraço,
    Miguel A

  48. pp Says:

    (picou e agora… lol)

    o Chefe ja’ disse quase tudo, eu tenho so’ algo mais a acrescentar:
    mario, aqui a vida nao e’ um mar de rosas mas sim D I F E R E N T E, ha’ que saber saborear o “gostinho” desta Africa…
    enquanto esta’ por ca’ , fique connosco :)… um dia quem sabe, opinamos todos sobre o livro que o meu fiel companheiro insiste em me vender (podia-me oferecer sempre ficava ja’como presente de natal!!!!!)

    [sempre de prata:)]

  49. Mario Says:

    Também já encomendei esse livro que está lá na ilha paradisíaca à minha espera ao fim dos primeiros 90. Se o seu não chegar fazemos um book crossing e tudo se resolve.

    Como já referi há 20 posts (este tópico está imparável) vou agora iniciar uma nova experiência profissional que me vai levar de província em província, à procura de uma foto que chegue aos calcanhares do chefe aqui do Sem Destino.

    Miguel A., em Portugal eu recebia 3 vezes menos e pagava 3 vezes mais à minha empregada do que é normal aqui. Acho que a proporção não é justa e não é só por estar no hemisfério sul que mudo de opinião.

    Um grande abraço.

  50. maria Says:

    Este blog tá a kuiar! :)

  51. miguel Says:

    Ora bem (lol), Mario,

    Tudo se resume a uma questão de fundo, na minha perspectiva, no que a tudo isto diz respeito: quantas realidades formam aquilo a que se poderá chamar a “realidade” de Luanda?

    O que foi descrito relativamente à forma como “pintaram” isto é que é inacreditável. Eu contratei o meu braço direito, em Portugal, e devo dizer-te que fui o mais “realista”, se calhar um pouco demais, para ver até onde estariam as pessoas dispostas a ir num cenário prenhe de adversidades, dando um peso maior aos aspectos negativos do que positivos. E isto por uma questão fundamental, nunca ficaria de consciência tranquila ter alguém ao meu lado que pensasse a cada mau momento ou contrariedade que a culpa era minha por o ter enganado…

    Mario, o choque é evidente e inevitável. É impossível não escapar a isso. Em particular se quem é responsável pela nossa vinda não trata do nosso enquadramento devidamente e apenas se preocupa com os tostões do outro lado. É pena. Mas há muitas empresas que funcionam dessa maneira, infelizmente. O resto, temos que ser nós a construir. Quanto ao resto, cada país é um país e todos têm os seus problemas. Em toda a parte há aspectos extremamente negativos. Muitos aspectos não são comparáveis mas também não deixa de ser verdade que, por norma, de onde quer que a pessoa seja originária, move-se no meio de determinados círculos escapando-lhe ao “olhar” muitas outras realidades que não são a sua. Até porque a habituação promove a indiferença. Vemos cá coisas terríveis? Vemos. Em toda a parte. Quantas pessoas conseguem ainda olhar de frente para o mendigo de cara completamente desfigurada que pede esmola no Rossio ao lado do Café Nicola? Mas isto levar-nos-ia a um outro tipo de questões bem mais profundas e delicadas as quais têm também a ver com questões filosóficas. Não se trata de tapar o sol com a peneira, nada disso.

    Já quanto ao custo salarial horário, tem muito que se lhe diga. A realidade não fomos nós que a criámos. Mas não deixa de ser interessante comparar o salário mínimo nacional com o PIB per capita, cá e lá para se tirarem algumas conclusões. Para além de outras questões. O que me parece é que estamos a confundir um pouco as coisas ou o mundo pode e deve apenas ser visto à nossa medida? Roma e Pavia foram feitas num dia? Nada se constrói da noite para o dia…

    Quanto a viver e trabalhar em Luanda… hummmm aspectos positivos?! Ora aqui vão eles:

    1º É onde fica o (único) aeroporto que nos permite sair do país (LOLLLL);
    2º Tem cafés;
    3º Tem restaurantes;
    4º Tem hoteis;
    5º Tem ginásios;
    6º Tem piscinas;
    7º Tem praias;
    8º Tem todo um conjunto de ambientes para todos os gostos, mesmo os mais complexos;
    9º Fica perto de África, a genuína;
    10º Tem uma vida cosmopolita interessante;
    11º Tem uma vida nocturna de qualidade;
    12º Tem bons espaços junto à praia;
    13º Fica ao lado do Bengo;
    14º A paisagem sem fim não é muito distante;
    15º Há internet em banda larga;
    16º Tem muitos angolanos que nos fazem acreditar no futuro;
    17º Para os solteiros, tem miúdas espectaculares;
    18º Há aviões para toda a parte do país;
    19º Consegue-se comprar o Expresso (do mal o menos…)
    20º Sabemos dos acontecimentos antes do resto do país;
    21º O primeiro também mora cá;
    22º A Stiviandra Oliveira também anda por cá e acho que trabalha ali para os lados da Maianga, segundo me disseram (até já dou dicas e tudo!);
    23º A variedade gastronómica é enorme incluindo alguns dos excelentes pratos angolanos;
    24º A viagem para sul é magnífica;
    25º Sempre há o Mussulo;
    26º Etc e tal?…

    Um abraço ;)

  52. miguel Says:

    Ah! E, para além de tudo o que disse, há aspectos da opinião do miguel A. que me assentam que nem uma luva (o bom tempo, as praias, etc…)

  53. miguel Says:

    pp, LOL! presente de Natal? Ouvi uns rumores que a versão fotocopiada fica mais em conta… mas carece de confirmação. Agora, simpático, simpático mesmo, seria a versão digitalizada entregue por e-mail, não era? ;))))) (e com anotações… ahahahahhaha)

  54. catarina Says:

    (Miguel, gostei da escolha de prioridades :DDD)

  55. miguel Says:

    Mario, é de aproveitar bem essa ida às Províncias. Quanto ao resto, o mercado dita o preço dos bens e serviços (excepção feita quando o Estado decide dar uma mãozinha). Quando vou cortar o cabelo, como na semana passada, pediram-me 500,00 Kz e eu dei 1.000,00 Kz. É uma opção. Há tantas… Sempre se pode perfeitamente pagar à empregada doméstica $1,000.00, suponho que não há nenhuma proibição quanto a isso. E por menos de 3x o salário de lá, seria Angola um destino a considerar? Claro que não, a não ser os supostos voluntários de tantas organizações…

    Um abraço e com calma e serenidade. O que África tem de melhor, entre tantas outras coisas, é ensinar-nos a relativizar tudo na vida…

  56. miguel Says:

    Yo maria! lol! Os comentadores é que me kuiam! :pppp

    (catarina, lol, não estruturei, saiu mesmo… lol!)

  57. miguel A. Says:

    Esta da versão fotocopiada partiu-me todo lol.

    Mário, tamos todos de acordo, no fundo. O problema foi as informações que (de má fé) lhe transmitiram. A próxima etapa será seguramente mais agradável, com viagens pela provincia…

    Miguel “chefe” – Excelente relação; gostei da 16 e 17ª…

    pp, o livro chegará!!!!! oferta da casa, como presente do meu 1º cacimbo em África; para daqui a uns anos recordarmos as tonteiras que escreviamos… Depois eu faço chegar o meu contacto, qdo regressar do rectangulo

    Abraço a todos e até daqui a uns dias!! Vou ali e venho já…

  58. miguel A. Says:

    Já agora, o que significa ‘kuiar’? calculo, mas fiquei na duvida…

  59. miguel A. Says:

    Ah, a Stiviandra Oliveira é minha vizinha? brutal…

    Já agora, quem é? lol – (desculpem a ignorância…) 90 dias de intenso trabalho e praticamente sem vida social dão nisto…

  60. miguel Says:

    miguel A., como não sabes quem é a Stiviandra Oliveira desprezaste o 22º… tssss tssss tssss lollllllll Apresento-te aqui a magnífica Stiv, para os amigos, como podes ver na versão anterior deste blog, aqui: http://sd.weblog.com.pt/arquivo/2006/10/stiviandra_o.html

    Kuiar hummmmmm gostar, agradar, etc ;)

    Sim, sim miguel A., brutal mesmo! Depois conta-me… Só és desculpado por teres chegado há tão pouco tempo… Sugiro que, para saberes quem é quem, comeces a ler a imprensa nacional, incluindo as revistas… É que nunca se sabe… :ppppppppp

  61. miguel A. Says:

    Ah, eu lembro-me de ler este post, ainda em Portugal… É mesmo brutal…. e constatei logo isso na altura…

    Por acaso, desde que deste aquela chazada sobre hábitos de leitura dos Tugas, que me ‘obrigo’ a ler regularmente a imprensa local, embora admito, a grande esforço…tais são as boçalidades…

    Isto apesar de eu ter acesso so Jornal de Angola diariamente aqui na empresa, e lê-lo (ou pelo menos folheá-lo religiosamente).

  62. pp Says:

    LOL… pano que nunca mais acaba!!!! mas estou a gostar :ppp

    wowwww ja’ tenho o meu primeiro presente de natal!!!! e nao pedi so’ sugeri…
    ahahahaha Chefe do blog, essas anotacoes mais pano para outras mangas daria :))

    Esta’ a ver mario, estar em Africa tem destes momentos simpaticos e vai ver que vai adorar passear pelas provincias e depois… nunca mais se vai esquecer de nos :) (talvez ate’ fique por ca’…and we can do a book crossing just here)

    Chefe do blog, que egoismo!!!!
    17º Para as solteiras, tem alguns homens fantasticos!!
    tambem pensam assim as Senhoras (o S maiusculo e’ para o meu fiel companheiro que escreveu sras.)

    maria e catarina, e’ verdade esta Africa sera’ sempre ma joie de vivre :))

    [sempre de prata]

  63. miguel Says:

    Miguel A., lol, eu não dei chazada a ninguém, caramba! Cada qual faz o que bem entende. Eu gosto de saber o que se passa à minha volta, só isso. Imagina que um dia falam mal da tua empresa e tu estás a leste?… ;)

    pp, não acaba não lol! Até ando a refrear a postagem e tudo! lol! Hummmmmmm ok… rectificação do ponto 17º: onde se lê “Para os solteiros, tem miúdas espectaculares” deverá ler-se “Para os solteiros, tem miúdas e miúdos espectaculares”. Imagino a convocatória de uma Assembleia Geral remetida previamente à pp… ;)

  64. Mario Says:

    Não vale a pena refrear, nós gostamos de ler :)

    Adorei o ponto mais positivo da sua lista, fez-me lembrar a coisa mais linda que há em Lisboa: a auto-estrada para o Porto ;)

  65. pp Says:

    LOL Chefe do blog, sonoras gargalhadas eu tenho dado quando abro este blog.

    ok cada um com as suas opcoes (algumas agora ate’ sao aceites… lol porque sera’??- brakes on -)
    e convocatoria?? ahahah nao ‘e necessario, aqui vai!!!!

    nao e’ rectificacao, nao e’ ponto, nao e’ alinea e’… a verdade mas
    sao raros… (even some foreigners)

    NESTE PAIS, PARA AS MULHERES
    HA’ HOMENS FANTASTICOS

    (mais que espectaculares… isso soa-me a show lol)

    ahhh… sao lapidados :)

    pequena anotacao (lol Chefe do blog, tornou-se inevitavel):
    sera’ que o mario ja reparou que nos aqui somos muito mais “open mind” em questao de afectividade (e nao me julguem de forma errada, falo do abraco e do carinho) do que o tao “caloroso povo portugues”??

    [sempre de prata :)]

  66. Miguel A. Says:

    lol, já no rectângulo…

    Algumas constatações rápidas: Apesar de a Primavera já ir adiantada, ’tá mto frio, sobretudo para quem chega daí…; o estado de espírito aqui (atenção Mário…) está ao nível do tempo: cinzentinho…

    ‘Chefe’ Miguel, calma, não fiquei chateado com a chazada: tou inteiramente de acordo, só enfiei a carapuça com aquela da leitura (ou não) da imprensa.

    pp, há que aproveitar as borlas

    Amanhã volto cá, hoje o tráfego ‘caseiro’ tá demasiado intenso…

  67. miguel Says:

    Isto tinha-me passado ao lado… :ppppp

    Ó Mario, está criado um incidente diplomático com uma certa gravidade. Eu sou alfacinha, nascido e criado!!! Então, então?! Eu não digo isso quando vou ou estou no Porto. Estes tripeiros são danados…

    (aqui entre nós pp, as miúdas são muito mais giras do que eles, mas pronto, cada qual… lol)

    Miguel A., boas férias com ou sem nuvens! :pppppppp

  68. pp Says:

    meu fiel companheiro perdi-me neste rol de comentarios mas ja agora, borla?? (esta’ mesmo no rectangulo!!!!) a intencao nao era para mais tarde recordar os bons momentos que o Chefe do blog nos da’??
    la’ se foi o presente…

    Chefe do blog, aqui entre nos, nos segredos desta familia, olha que ha’ u(m)ns… bem interessant(e)s
    como dizem os meus amigos: ate’ merece um “award” com uma mulher destas que comeca com a paixao nos neuronios e nao com borboletas no estomago…
    mas pronto, cada um por vezes pode escolher aquilo que quer… lol

    (vamos chegar aos 100… comentarios)

    [eternamente de prata :)]

  69. catarina Says:

    (como este é um blog sério, tiro eu esta senha na demanda dos FANTÁSTICOS…:DDDD)

  70. pp Says:

    ficamos por aqui??
    hummmm… nao me parece bem.

    estou com a catarina!!!!

    [sempre de prata:)]

  71. Paulo Says:

    Estava a pensar em ir trabalhar para vendedor da Refriango em Angola. Alguem me explica se é muito dificil a vida de vendedor de bebidas ai?? Obrigado

  72. Miguel A. Says:

    Caro Paulo, não conheço esta empresa, mas se leu com atenção estes setenta e tal posts, venha cá primeiro espreitar e ver se gosta disto…

    Seja bem vindo!

  73. pp Says:

    (espreitar por 90 dias, minimo requisitado)

    [sempre de prata:)]

  74. PAULO Says:

    A empresa Refriango é a que comercializa o refrigerante Blue… Conhece? Pois mas se eu for ai ver como isso é vai ser com contrato de 6 meses e eu aqui em Portugal estou efectivo, dai a minha pergunta pois tenho um pouco de receio.. Entendes? Abracos

  75. Miguel A. Says:

    o Refrigerante Blue todos conhecemos. Atenção que só estão a emitir vistos de 60 dias (90, porque depois dão uma autorização de mais 30 dias), mas neste momento já só estão a dar 30+30 (informação do Consulado de Angola aqui no rectângulo, dada esta semana).

    Cuidado com estas questões, porque se for apanhado ilegalmente em Angola, dá proibição de voltar a entrar em território Angolano por 5 anos.

    Informe-se bem sobre as questões contratuais primeiro

  76. Mario Says:

    Aproveito a ressurreição deste tópico para informar que os vistos do consulado do Porto eram de 30 dias com duas renovações de 30 dias, totalizando 90.

    Tanto quanto sei a nova lei de vistos ainda estava em fase de implementação, mas o visto ordinário manter-se-á com 90 dias, o visto turistico é que tem só 60 dias.

    Isto seria o normal, no meu caso, deve ter sido por ter andado para aqui a falar mal desta terra de abundancia, renovaram-me o visto por uns extraordinarios 22 dias deixando me com um bilhete de regresso fora de prazo. Isto é comum? ou tive mesmo muita sorte???

  77. pp Says:

    LOL…

  78. Miguel A. Says:

    90 + 22? ou 60 mais 22?

  79. Mario Says:

    60+22 e um bilhete de aviao pendurado!

  80. pp Says:

    hummm… 82 dias, ainda nao chega.
    lei e’ lei, 90 sao 90.
    o mario ainda vai escrever um livro… (“os meus 90 dias num blog de luanda”)
    protagonistas: no’s – os que (o mario “ainda” nao sabe como) conseguem amar Angola.

    divirta-se mario!!!

    {sempre de prata:)]

  81. miguel A. Says:

    OK, bem me parecia que não podiam ser 112 dias…

    Todos os de 90 são assim, 60 + 30, tal como eu tive.

    Agora já de volta, mas infelizmente sem novidades do ‘quadrado’.

    Pelo rectangulo aquilo está esquisito, muito esquisito mesmo. Ambiente pesado, mto pessimismo, enfim, nada agradável.

    Juntando os posts mais interessantes e as fotos todas! dá um livro interessante, seguramente…

  82. miguel Says:

    LOL Mario, isso foi mesmo fortuna… :ppp Quanto a lei ser lei, enfim pp, daria aqui uma grande discussão. Haverá alguma lei que permita a retenção de passaportes ad eternum?

    pp, olha que não sei não. Desde que fui mandado parar por um polícia daltónico – mais um episódio a tratar devidamente – que, enfim, acho estar a necessitar urgentemente de férias.

  83. Mario Says:

    Devo ser eu que ando mais atento agora que voltei de Angola, mas fico com a sensação que quando comecei a interessar-me por estes assuntos não havia muito por onde pesquisar.

    Numas das últimas visitas à FNAC encontrei:

    – album fotográfico com textos do Agualusa e bastante representativo da Luanda que eu vi,
    – tradução de um relato de um polaco (acho) sobre 75, a guerra colonial e a 2ª guerra de libertação como lhe chamam,
    – livro sobre o 28 de Maio escrito por um sobrevivente,

    Todas estas edições de 2007, se não estou em erro.

    No suplemento de economia do Público de 20/07 a capa com o título “O outro lado dos negócios em Angola”, em que fala sobre as ligações da filha do presidente, as dificuldades para quem quer investir, a corrupção.

    Num suplemento do JN, uma entrevista de várias páginas com um angolano que trabalha para a ONG que denunciou os despejos em Luanda.

    Começa a tornar-se mais nítida a verdadeira imagem de Angola cá em Portugal.

    Mario

  84. miguel Says:

    Mario,

    O livro do polaco já existe há bué. Os outros serão recentes (pelo menos o último que foi publicitado também por cá e que podes comprar na Lello aqui em Luanda).

    Despejos Mario? Há despejos e despejos… As realidades são pintadas sempre de muitas e variadíssimas maneiras.

    Não começa a tornar-se mais nítida a verdadeira imagem de Angola em Portugal, Mario. Sempre foi profundamente negativa. Esse é o único caminho que queres seguir, não há nada a fazer. Contudo, é sempre bom ver o outro lado que também existe.

  85. Mario Says:

    Fui infeliz na minha última frase Miguel…

    Pelo que tenho ouvido das pessoas com quem falo, não sinto que a imagem de Angola por aqui seja negativa, muito pelo contrário. Não faço sondagens, mas muita gente conhece alguém que está feliz em Luanda, e tem boas referencias do mercado de trabalho e essas coisas.

    A minha visão de Luanda (super pessimista, claro está :) não vai de encontro à imagem que muitos dos meus conhecidos fazem da cidade. E é extremamente difícil de corroborar algumas das coisas que conto com uma comunicação social portuguesa anestesiada pelos milhões “fáceis” das empresas portuguesas em Angola.

    O outro lado também existe, é certo, e pode ser muito compensador, mesmo sem entrar em linha de conta com a questão financeira.

    Continuação de bom cacimbo.

    (o livro do Kapuscinski é de 1998 e passou-me totalmente ao lado na minha pesquisa pré-viagem)

  86. miguel Says:

    Mario,

    Essa opinião é de agora em que se multiplicam os casos de “sucesso” de portugueses em Angola. Com tantos [portugueses] a virem para cá é natural alguma alteração de abordagem por contraste com a depressão colectiva que é hoje, em grande medida, Portugal. O constraste é gritante demais para que não houvesse a passagem de uma imagem positiva.

    Contudo, quando fores à FNAC encontrarás, provavelmente, um livro de um ex-embaixador português que por cá andou e que foi escrevendo o seu diário, agora publicado. Folheia aquilo e depois comenta… Confesso que fiquei algo chocado…

  87. Mario Says:

    Estou com o apetite bastante aguçado para esse diário, a ver se o descubro.

    Ando entretanto a ler o diário de dois voluntários dos Médicos sem Fronteiras no Kuito no final da guerra civil, depois dos piores combates na cidade e dá para perceber porque a cidade está agora passados 5 anos neste estado em que está.

  88. Mario Says:

    O tal livro do ex-adido cultural na embaixada portuguesa em Luanda são uma série de pequenas histórias do quotidiano em Luanda, certo?

    Acho que aquilo é para ser visto como um livro de humor, até porque os outros livros do autor são humorísticos. Sobre esse prisma, não me choca por aí além, até porque histórias/caricaturas/anedotas todos os expatriados em Luanda têm. Este teve foi a coragem de as pôr por escrito.

    Se a ambição do livro é ser um diário sério, então falha redondamente :)

    Afinal o livro do Kapuscinski foi reeditado agora em 2007, a outra versão estava esgotada.

  89. MAM El 9999 Says:

    Carrissimos,
    Entro nisto em andamento, porém algo se passa, e diz o ditado, onde há fumo há fogo! Luanda é linda a noite, mas o pesadelo é de dia! Ja rodei um pouko este mundo, ainda n encontrei o céu, mas estou muito perto do inferno (deve ser na zona do Prenda) ou será no marçal? Zamba! n sei, mas que gente tão ignorante arrogante, estúpida e mal edukada nunca ví! São Fracos em todos os aspectos, devem ter dado o mote de um programa do mesmo nível da TVI “Zero em Edukação” Made in Luanda.
    Se Calhar são os restos de uma colonização, ou a falta dela!

  90. MAM El 9999 Says:

    Violência…..

    O Rio de Janeiro é uma cidade violenta… já corri tudo, favelas inclusivé, nunca fui assaltado.. em Luanda já fui assaltado por desconhecidos duas vezes, uma delas a pistola. Além da cena grotesca de violência, revelou-se a verdadeira face destes seres = covardes.
    Digo desconhecidos, porque os amiguinhos pulas tb assaltam de outra forma $$$$ e os fardados coagem, humilham e sakam (eu acho q roubam) porque andas fardado de BRANCO.. infelizmente tenho q o admitir. porém n sou racista, porq n é por ter relações com negras (se é q as tive ca) mas ja pensei em ter um do meu sangue.

  91. MAM El 9999 Says:

    TVI

    acho q algo ou alguma coisa q saia dessa emissora…
    Desculpem.. Emissário …

    Por isso, n seria com uma reportagem sobre angola (luanda) que isto iria melhorar.

  92. Mario Says:

    Caro MAM,

    Compreendo perfeitamente a sua indignação/desespero/irritação/falta de paciência. A necessidade de desabafar, contar a alguém, soltar o vapor que se acumula no dia a dia é praticamente uma necessidade física.

    Pela minha curtíssima experiência, só dá para desabafar com quem está na mesma situação, porque os mais antigos em Luanda invariavelmente saem-se com a mesma frase “se achas isto mau agora devias ter visto em 1999” e quem nunca lá foi não sabe o que é nem imagina.

    Boa sorte!

  93. Miguel A. Says:

    Certissimo, Mário.

    Oiço a mesma coisa várias vezes ao dia. E já ouvi várias vezes tb a seguinte: até 92, com a venda de uma grade de cerveja no mercado paralelo dava para pagar uma viagem de avião a Portugal…

  94. Miguel A. Says:

    E demorei 40 minutos a reler ‘religiosamente’ todos os comentários deste magnifico capitulo ‘portugal SA’

    Foram tempos magnificos, de facto… só ‘entendiveis’ para quem de facto aterra nesta terra.

    Por mim, festejo hoje os 180…

  95. pp Says:

    lol ja na final da segunda volta!!!
    parabens fiel companheiro :)

  96. MAM El 9999 Says:

    Fala mais iria repetir-me! afinal.. isto n mudou… tá na mesma!

    Mas hoje percebi a existência de grades.. em toda a parte!

    É para que a maioria se sinta em casa!

    Bicho quando não está no habitat natural, está na jaula!

    Eu só saio dela ao fim do dia! (volto pra casa!)

    … é como entaum? é mesmo isso!

  97. Miguel A. Says:

    É verdade, já no final da 2ª virada.

    Isto é estranho, acreditem; agora acho estranho quando saio daqui…

    Agora a próxima etapa já é mais longa, seguramente…

  98. opinioes « as miudas mais giras de angola e o miudo de portugal Says:

    […] April 15, 2009 Filed under: angola — pp @ 9:03 am “aqui entre nós pp, as miúdas são muito mais giras do que eles…”   Comments […]

Os comentários estão fechados.