Snakes

snakes.jpg

Graças a muitas secas que me têm sido proporcionadas nos últimos tempos (nunca deixo de ficar surpreendido, a cada nova seca, pelo desplante de quem se obriga em fazer esperar os demais, agindo posteriormente como se fosse a coisa mais normal do mundo), vi-me na contingência de encontrar formas de passar o tempo. Com grande satisfação descobri que o meu telemóvel tinha um jogo “jogável”, o Snakes. Sol de pouca dura porque os 37 níveis duraram pouco mais de meia dúzia de secas…

Claro que o que interessa aqui não é exactamente o jogo em si. Por força das circunstâncias, vi-me forçado a ir ao Cartório. Presencial, disseram ao nosso funcionário que trata destes assuntos. E lá me pus a caminho. A pé, já que ontem, por ter demorado 2h a chegar ao local de carro, apanhei-o já encerrado ao público. Em 1/6 do tempo gasto no dia anterior, encontrei uma instituição com fracas condições. Passeio esburacado, sala cheia com umas boas 30 pessoas sem condições para tal. Uma lentidão atroz. Sem fila. Tudo ao molho e salve-se quem puder. Olhei à minha volta. Presencial só se fosse mesmo a minha, tal não era a força das “evidências”… No cimo da parede, por detrás dos funcionários atrás do balcão, o marcador das senhas a zeros e o relógio a informar-nos que pouco passava das cinco da manhã… A máquina das senhas, no canto da sala, desprovida de qualquer senha e um ar de que já teve melhores dias. A confusão instalada. O barulho dos telemóveis. Um ambiente abafado e o ar de cansado dos presentes. Nomes chamados de forma monocórdica. Atirei-me ao balcão e vomitei algo que, por estas bandas, é considerado como arrogantemente pula. A cor do passaporte também não o escondia. Mas porque carga de água é que deveria aguardar pacientemente que alguém me perguntasse ao que ia se milhares (literalmente) de “ultrapassadores” já tinham sido aviados?!

Pergunto-me se quem concebeu o fausto das salas e gabinetes da agência governamental para o investimento, nunca terá pensado que o mesmo investidor que lá vai antes de investir é precisamente o mesmo que vai, presencialmente, a uma repartição mal amanhada de gente cansada e que ali perde mais de 2h para nada (ou quase…).

Miguel

3 Respostas to “Snakes”

  1. kianda Says:

    Adorei o detalhe “… e o relógio a informar-nos que pouco passava das cinco da manhã…” … ou o relógio era digital ou … porque não seriam 5 da tarde ???

  2. miguel Says:

    Era digital! Se fossem da tarde seriam 17… lol!

  3. pp Says:

    eu creio que o problema e’ e sera’ a avaria do “marcador de senhas” :D

Os comentários estão fechados.