E no Zimbabwe

mdcsymbol.jpg

O país completamente destruído e arruinado estará a dar eco da sua insatisfação pela actual situação que não poupa [quase] ninguém. A atestar bem o drama que se vive no país há já alguns anos, a histórica e recordista taxa de inflação acima de 100.000% (cem mil por cento)(o FMI estima que em Janeiro de 2008 tenha ultrapassado os 150.000%).

Para se ter uma ideia do que aconteceu no Zimbabwe, quando estive em Harare, algures em Dezembro de 1999, 1 dólar americano valia 100 dólares zimbabweanos. Hoje, 1 dólar americano vale 25.000.000 dólares zimbabweanos… (1 nota de 100 dólares americanos equivale a 20Kg de notas de dólares zimbabweanos!).

Outros indicadores são demolidores sobre o rumo que Mugabe e a sua Zanu-PF escolheram para o Zimbabwe e o seu povo: entre 2000 e 2007, a produção agrícola caiu 51% , a produção industrial caiu 47% e a mineralífera 35%. No mesmo período, o PIB per capita recuou mais de 40%. A UNFP estima que neste início de 2008, cerca de 4,2 milhões de zimbabweanos sofram escassez alimentar.

No meio de tudo isto, notícias que chegam de lá por meio de diversos órgãos de comunicação social com informações distintas mas ambas convergentes num aspecto: a Zanu-PF e Robert Mugabe terão perdido quer as legislativas quer as presidenciais no que, a confirmar-se, tornar-se-á numa das maiores mudanças políticas na África Austral dos últimos anos. Os media estatais zimbabweanos avançam já com o cenário de segunda volta para as presidenciais. Contudo, a Comissão Eleitoral Zimbabweana, até ao momento, apenas divulgou os resultados já apurados para as legislativas com o MDC a liderar sem avançar qualquer informação quanto aos resultados das presidenciais.

Esta manhã, a SICn avançava que Mugabe estaria já a tratar de encontrar uma solução no exterior para o seu exílio, já que não pretende concorrer a uma 2ª volta por considerar esse cenário humilhante (notícia completa aqui).

O site zimbabweano Sokwanele está a acompanhar de perto a divulgação dos resultados (oficiais e oficiosos).

7 Respostas to “E no Zimbabwe”

  1. engricky Says:

    Um só comentário: triste.

  2. kianda Says:

    Sei lá … o meu primeiro e rápido pensamento é vergonha por acordos deste género mas depois … sei lá … se calhar deixá-los ir e tentar consertar nos próximos séculos, sei lá … pelo menos, a mudança pela voz do povo é de louvar.

  3. miguel Says:

    É de louvar sim kianda. Desde que não degenere num banho de sangue. É que as forças de segurança estão em estado de alerta máximo.

  4. engricky Says:

    “a loaf of bread for $12”

  5. Mario Says:

    Não acreditei quando ouvi na rádio hoje de manhã que este personagem iria sair “airosamente” depois de ter perdido as eleições. Seria o primeiro perdedor “airoso” dos últimos tempos.

  6. emiele Says:

    Talvez ingenuamente, mas o ter aceite que perdeu as eleições, parece-me já um passo em frente. Receei que aparecesse uma manigância qualquer e tudo voltasse à estaca zero.
    de qualquer modo uma inflação como dizes a fazer lembrar a Alemanha no final da guerra, é uma coisa que nem consigo imaginar!

  7. pp Says:

    eh lecas ou eu ando com muto trabalho e pesca a mais ou tu andas mesmo rapido nos posts.
    estou a imaginar o Mugabe a sair airosamente e a aterrar qual heroi na outra banda :D

Os comentários estão fechados.