Paradigmas

Antigamente, ter era indissociável de esforço, trabalho e espírito de sacrifício. Até há uns meses atrás, bastava ir-se a uma qualquer instituição de crédito. E no futuro (próximo), como será?

3 Respostas to “Paradigmas”

  1. AC Says:

    Num futuro próximo “ter” é um luxo que poucos se poderão orgulhar… quando muito têm emprego remunerado o que já não é mau nos dias de hoje…
    Um pouco mais a sério e sem dramatismos, parece-me que depois desta turbulência, o mar irá acalmar e voltar ao seu estado de quase equilíbrio, sem os excessos que nos levaram a esta situação limite. Claro que irá de novo crescer até nova crise, mas é mesmo assim né?

  2. emiele Says:

    Eu que já não sou nova, não me recordo de momentos tão aflitivos.
    E nunca fui de recorrer a créditos. Já comprei carros (em primeira mão) a pronto e até uma casa (baratinha…) a pronto! Costumo fazer as prestações «antes» e comprar quando tenho dinheiro que chegue.
    Mas…
    Quando se trata de ter ou não trabalho remunerado a coisa é diferente. Hoje quem o tem é agarrar-se a ele, a conservá-lo. Como tu dizes com «esforço, trabalho e espírito de sacrifício» [esta não é a divisa do Sporting? :) ]

  3. miguel Says:

    ac, não sei.

    emiele, eu fui educado nessa base, ie, quando era puto, mandavam-me juntar dinheiro quando queria (muito) alguma coisa. Quanto mais não seja, obrigava-me já, na altura, a ter que fazer opções. Por falar em sporting, acabámos de ESMAGAR as águias! eheheheh

Os comentários estão fechados.