Entretanto

Preocupados com a saúde da economia, do mercado de trabalho, da próxima bolha a estourar e tantos, mas tantos, outros assuntos que se destacam nas agendas doméstica e internacional, a última coisa que se esperava era um incidente militar entre os EUA e a China e logo no Mar do Sul da China.

O que é verdadeiramente interessante é que a cada inauguração presidencial, a China “testa” o novo presidente norte-americano. Apenas cerca de 2 meses após ter tomado posse como presidente dos EUA, George W. Bush era confrontado com um incidente relativamente grave envolvendo um avião Lockheed P3C Orion, cheio de instrumentos electrónicos, o qual, após colisão em pleno ar com um caça chinês, foi forçado a aterrar de emergência na ilha chinesa de Hainan e a sua tripulação detida. Pior sorte teve o piloto chinês que acabou por morrer. Desta feita, é Obama que é confrontado com um incidente naval, cerca de 2 meses após a sua tomada de posse. Contrariamente ao piloto chinês, as embarcações que se aproximaram do navio de guerra americano, ao apanharem com os jactos de água dos americanos, despiram-se e mostraram-lhes o cu.

A precisão é impressionante, já os métodos denotam alguma evolução…