Ser emigrante

(Dá nisto!)

Ando mortinho para ir a um concerto do Nelson Ritchie. A tão badalada “Só quero ser o teu herói” é a minha preferida. Toca-me profundamente pá. Um gajo está aqui, longe, e estas coisas, enfim…

Eu não sou nada de coisas alternativas, cheias de macambúzios alienados que gostam de pairar uns centímetros acima de nós, simples mortais e incomodamente banais. Tenho que ir ao concerto do Nelson. Como gostaria que fosse lá na aldeia, no verão. Onde toda a gente se conhece, onde se “checam”, verão após verão, as novas “revelações” em ambiente festivo propício à “festa”. Ai as festas na aldeia. Cheias de moçoilas, daquelas que chegam e dizem “Olá! Eu acabei de chegar e ainda não conheço nenhuma rapariga. Queres ser minha amiga?”. Há lá coisa mais pura que esta?

Às vezes é lixado ser de Lisboa… Também gostava de ter a minha aldeia.

7 Respostas to “Ser emigrante”

  1. engricky Says:

    Ou “Esta é a minha prima de Paris.” Tb é uma boa deixa para um relacionamento profundo.
    Agora “É um amigo meu de Angola.”… Só pró kizomba, né? :P

  2. jpt Says:

    o pessoal da rtp-áfrica não é de lisboa, deixa-te de coisas

  3. pp Says:

    ainda te vou ver de manga ‘a cava… uuuUUUuuu (‘a porta de eden)

  4. miguel Says:

    Ainda por cima escuros como nós engricky lol não “pegava” de outro modo :p

    jpt, acredito que o da SIC também não! ahahahahahah!

    pp, podias ter elaborado um bocadinho mais… ;)

  5. emiele Says:

    Mesmo quem é de Lisboa, e filha de lisboetas, pode ter uns avós que vieram da província. Bolas, em 4 avós nenhum era da província…?

    Mas também sinto um pouco isso, de não «ir à terra».

  6. ac Says:

    deixa-te lá de conversas de aldeias, porque Lisboa por vezes não é mais do que uma aldeia um pouco maior do que o habitual. Explica lá essa do herói :)

  7. pp Says:

    lol espera e veras!

Os comentários estão fechados.