Sim…

Sei-te, como a mim.

O determinismo do tem que ser nem sempre deveria prevalecer sobre o livre-arbítrio. Quanto mais não seja por colocar de lado, de forma algo inexorável, esse mundo extraordinário que são as emoções, os afectos, em suma, o sentir.

in divagações de coffee break a 35.000 pés