Tendêquê?

Aprecio o apuradíssimo sentido estético que me rodeia, confesso. Sou um adorador da beleza pura, natural e não resultante de qualquer bisturi mais apurado. E do que faz sentido e é harmonioso. Pese embora, também é verdade, o meu gosto não ser consensual junto de quem me conhece.

E também acho interessantes as novas tendências, do que se vai fazendo, do que apela ao bom gosto dos sentidos. Ontem, numa das minhas saídas, acabei por tomar café fora depois do almoço. Enquanto esperava a minha vez, fui observando as pessoas nas imediações. E eis que, de repente, algo de gritante se apoderou da minha atenção. As mãos de uma mulher que conversava animadamente com as suas amigas, enquanto esperava a sua vez. Olhei e voltei a olhar. Muitas vezes. Irresistível. As unhas (falsas) dela eram um verdadeiro bálsamo para os sentidos e um exemplo clássico de bom gosto. Todas diferentes, em cor e desenho, e com um sentido estético fenomenal. Ora brancas, ora rosa, ora pretas, ora cinzentas, com riscos e quadrados de cores diversas lá no meio e a parte branca característica da manicure francesa, às cores: branca, preta, azul, cinzenta, etc.

Não sei o que passará pela cabeça das pessoas. Mas também, no caso em apreço, qualquer que fosse o estilo escolhido ficaria sempre mal. Mas esta indústria tem conseguido vender muito bem uma colecção de horrores que entram pelos nossos olhos dentro, no dia a dia. O mundo seria muito melhor se o vermelho, de tons variados até ao muito escuro, continuasse a ser a tendência…

in A sério?