Passional?

Nunca perceberei o mindset por detrás de um crime designado por “passional”. Ultrapassa-me. Ultrapassa-me o sentimento de posse de alguém por outrém. Alguém que entenda que o outro, normalmente do sexo feminino, seja sua propriedade pessoal e exclusiva, sobre a qual pode pôr e dispôr a seu bel-prazer. Condicionar, manietar, manipular, infligir, agredir, violentar e, enfim, ferir ou matar. Nunca perceberei. Por isso perguntar-me-ei sempre: passional?

O defeito de fabrico e de construção de certas personalidades constituem, na realidade, um falhanço colectivo. Nós, enquanto sociedade, não percebemos e não evoluímos no sentido de anular e corrigir certas anomalias do “eu” alheio de modo a proteger um de nós.

Muito haveria a dizer mas é um assunto extremamente triste e de difícil compreensão.

In Quando é que vai parar?