Archive for the ‘Argélia’ Category

Jejil

23 Janeiro 2007

 Jejil – 6ª à tarde, passeio dos “pulas” parolos cá da terra

Bem que já vi o “burkini” na Austrália, mas as praias por cá ainda não têm ninguém, mas isso “à cause du temps, qu’il est encore froid”.

A paisagem de Bejaia até Jejil, é de um grande conjunto de montanhas que se espraiam em águas límpidas e numa areia meio avermelhada.

Chegamos à cidade, depois de belas curvas que serpenteiam por entre serras verdes, gente simpática numa cidade pobre, mas surpreendentemente limpa. Só o pó me faz confusão nesta terra que tem tudo para ser grande …, haja vontade, … que teima em ainda não chegar.

ML

f001a-19012007.png

f002a-19012007.png

fotos de ML

Subida até Setif

7 Janeiro 2007

Mais uma crónica do grande companheiro e amigo, que gosta de me mandar beijinhos, directamente da Argélia. Já agora pá, vê lá se me mandas umas fotografias maiores senão não consigo colocá-las aqui…

Sexta-feira, mais um Domingo aqui na terra, decidimos ir ver uma queda d’água perto (Kherrata), mas acabamos por passar ao largo, seguindo meio estonteados pela beleza das montanhas que estávamos a subir. Falamos sobre os problemas de 45, retratados por azulejos bem expressivos, e pensamos que estes episódios não foram assim há tanto tempo, e que em nada abonam a cultura europeia à qual pertencemos.

Sempre a subir, e quando estávamos já a voltar para baixo, o Trepas lembra-se que há um restaurante de nome Lisboa, em Setif, e nem pensamos duas vezes, infelizmente damos com uma porta fechada, mas acabamos por descobrir um hotel / restaurante acabado de estrear e onde comemos um bife acima da média, no meio de mesas onde estavam ainda a desempacotar os pratos, copos e outros. Depois do almoço tardio, invariavelmente regado a água, somos obrigados a ir visitar um quarto, e uma suite, com vista para a fonte da cidade, e prometemos que iremos voltar e escolher o prato que mais gostamos.

 f002a03112006ml.png

A meio da descida, desviamos para a tal queda d’água, que embora bonita, é mal frequentada (afinal estamos literalmente no meio de montanhas em que teoricamente há guerrilheiros) e suja nas margens, pois por aqui ainda não há o hábito de guardar o lixo para o deitar fora mais tarde, para não estragar uma paisagem destas.

f001a03112006ml.png

Já é noite, quando começamos a ver o mar e a avistar as letras “BEJAIA” no cimo da montanha que vemos pela frente.

Amanhã, Sábado, é o primeiro dia da semana de trabalho, pelo que vou-me recolher-me, e escrever umas notas a publicar, espero, no site dum amigo em que penso quando conheço algo de novo e de diferente.

ML